Arte em Foco

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Com obras do 'efeito Iberê Camargo', mostra relembra 100 anos do artista

Gravuras, telas, performance cênica e documentário lembrarão pintor.
Do G1 RS


Painel pintado em Genebra por Iberê Camargo faz parte da mostra (Foto: Olivier Zimmermann/Divulgação)

Os 100 anos de Iberê Camargo serão celebrados com uma mostra que ficará em cartaz por quatro meses no museu do artista, em Porto Alegre. "Iberê Camargo: Século XX" está sendo organizada por meio das principais problemáticas das obras do pintor, além das repercussões de artistas brasileiros contemporâneos, o chamado "efeito Iberê". Em cartaz a partir do dia 19 de novembro, com entrada gratuita, tem curadoria de Icleia Borsa Cattani, Jacques Leenhardt e Agnaldo Farias.

A exposição segue uma dinâmica diferente. De acordo com a organização, o formato convencional de mostras comemorativas será deixado de lado para que se possa demonstrar a potência da poética de Iberê Camargo. A ideia é criar diálogos, relações de vizinhança e tensões entre as pinturas, gravuras e desenhos do gaúcho, com uma grande variedade de linguagens, incluindo escultura, instalação, fotografia, literatura, dança e cinema.

São 19 artistas brasileiros de gerações variadas, alguns deles conhecedores da obra de Iberê, outros não, que terão suas obras expostas em conjunto por todo o prédio projetado por Álvaro Siza, na Zona Sul da capital. Desde o lado de fora ao interior das rampas, passando pelo grande átrio, todos os espaços do edifício estão sendo pensados para abrigar os conjuntos de obras.

Dinâmica e integração

Peças significativas dos grupos de pinturas, desenhos e gravuras de Iberê Camargo, pertencentes às séries “Ciclistas”, “Carretéis”, “Explosões”, “Espelhos”, “Fantasmas”, “Sombras”, “Manequins” irão preencher as salas expositivas.

Para o átrio, a exposição reservou a reprodução fotográfica do painel realizado pelo artista em Genebra, na Suíça. Próximo ao painel, como prova da fúria disciplinada do artista, estará a totalidade dos desenhos através dos quais Iberê projetou seu maior trabalho. Do lado de fora do prédio, cinco grandes carretéis de madeira, assinados por Eduardo Frota, fazem parte da exposição.

O cineasta Joel Pizzini irá fazer intervenções nas três rampas do prédio que ligam um andar ao outro evocando sons de bicicleta, imagens de Iberê pintando "Os Ciclistas", a literatura do artista interpretada por sua própria voz e pela de outros artistas, e os "Fantasmas de Iberê", com imagens dos momentos finais da sua produção pintando o quadro "Solidão". Além disso, haverá a projeção de imagens do filme alemão Nosferatu, dirigido por Friedrich Wilhelm Murnau, de 1922 - uma das paixões de Iberê. 

Mostra relembra centenário de Iberê Camargo

(Foto: Leonid Streliaev/Divulgação)

(Foto: Leonid Streliaev/Divulgação)

(Foto: Leonid Streliaev/Divulgação)

Um documentário a partir do universo de Iberê Camargo também será apresentado, por uma biografia estética do artista em um filme de ensaio sobre sua obra. Narrado pelo próprio Iberê, com imagens e sons de arquivo, o filme revela a paisagem da memória e a obra pictórica e literária do artista. Com roteiro e direção de Marta Biavaschi, fotografia de Bruno Polidoro, montagem de Bruno Carboni e duração de 52 minutos, MAGMA é uma realização da Fundação Iberê Camargo com produção da Surreal Filmes.

A exposição também terá o brilho de uma performance inspirada na "Série Carretéis", da premiada coreógrafa e professora Eva Schul, uma das pioneiras da dança moderna no Brasil. A trilha foi criada pelo violoncelista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA,) Celau Moreira, e o figurino cênico é assinado pelo artista Élcio Rossini.

Fundação Iberê Camargo recebe exposição de arte povera no RS

Exposição inédita trará obras de 12 artistas, segundo a organização.
Do G1 RS










Exposição vai até 2 de novembro em Porto Alegre (Foto: Divulgação)

Porto Alegre receberá a partir de 22 de agosto uma exposição dedicada à arte povera (arte pobre), movimento italiano da segunda metade do século XX. A mostra vai até 2 de novembro na Fundação Iberê Camargo.

O conceito da exibição foi escolhido pelo curador Gianfranco Maraniello, diretor do Museu de Arte Moderna de Bolonha (MAMbo). Serão 25 obras de 12 artistas do grupo original da corrente artística.

“A adoção de vegetais, minerais brutos, fogo e eletricidade como matéria-prima determinou a estética do grupo, que tinha como foco o caráter provisório da obra e a sua disponibilidade de ser reconhecida para além de seus limites físicos”, explica Maraniello. 

A entrada será franca. As obras serão abrigadas nos terceiro e quarto andares da Fundação Iberê Camargo, além do vão do átrio. A exposição "Limites Sem Limites. Desenhos e Traços da Arte Povera" é inédita, segundo a organização.

Serviço

O quê: Exposições Limites sem Limites. Desenhos e Traços da Arte Povera.

Quando: de 22 de agosto a 2 de novembro de 2014.

Onde: Fundação Iberê Camargo (Av. Padre Cacique, 2000, Porto Alegre).

Horário: de terça a domingo (inclusive feriados), das 12h às 19h (último acesso às 18h30), quintas até às 21h (último acesso às 20h30).

Quanto: entrada franca.

Centenário será celebrado durante 4 meses em museu de Por
to Alegre.
Mostra ocorre de 22 de agosto a 2 de novembro, em Porto Alegre.


Nenhum comentário:

Postar um comentário